terça-feira, 15 de abril de 2008

Monumento aos ex-combatentes inaugurado no dia da liberdade



Um grupo de ex-combatentes lousadenses que estiveram no Ultramar vai inaugurar, no dia 25 de Abril, um monumento em homenagem aos soldados do concelho que estiveram envolvidos nesta guerra e na defesa das antigas províncias ultramarinas de Angola, Guiné-Bissau e Moçambique, entre 1961 e 1974.

O monumento, na Rua Santo André, em frente ao Bairro Dr. Abílio Moreira e perto da rotunda do Hipermercado Feira Nova, em forma de uma pirâmide, tem na lápide desenhado o mapa de Portugal e das ex-colónias e na sua base o nome dos 32 ex-combatentes que lutaram e morreram nas ex-colónias, com a seguinte inscrição: "Homenagem aos militares falecidos no ultramar do concelho de Lousada". O projecto conta com o apoio da Câmara Municipal de Lousada e é da co-autoria do arquitecto Neto e o Eng.º Nogueira.

Luís Pinto Dâmaso, o "Magalhães", o "Esteves" e o "Alberto", são alguns dos ex-combatentes e colegas de luta que integram a lista de signatários designada de delegados dos Veteranos de Guerra que tem como objectivo dignificar a memória dos ex-combatentes de Lousada que como eles lutaram pela preservação das ex-províncias e recordar a opção histórica realizada então e que levou a que muitos jovens tivessem que rumar para o ultramar, na flor da juventude.

"A opção colonial marcou o destino da nação. O país entrou numa guerra que constituiu, porventura, um dos acontecimentos mais marcantes da sua história ao longo do século XX. As soluções foram adiadas e o conflito condicionou a vida nos anos seguintes. Deste modo a pátria exigiu que a sua juventude entre 1954 e 1975 compartilhasse a luta no terreno, ao lado desses irmãos distantes", refere a proposta para a edificação do monumento em memória dos soldados mortos em combate.

Com esta homenagem pretende-se, ainda, reavivar a memória dos soldados que lutaram por um ideal, mas que a história parece querer esquecer. "Finda a guerra, fez-se crer que Portugal queria esquecer os seus heróis. Essa injustiça deve ser reparada e, para tal, há que acordar os mais velhos e inculcar nos mais novos o sentimento de consciência nacional e o respeito pelos seus heróis e pela sua história. Os combatentes vivos ou mortos souberam servir a pátria com dignidade, coragem, lealdade, sacrifício e orgulho nacional. O sangue derramado e o sacrifício de sucessivas gerações têm que ser, para sempre, lembrados e enaltecidos em ambiente de paz, de orgulho, de sentimento de justiça e de crença nas qualidades do povo português", lê-se na mesma proposta a que o TVS teve acesso.

Segundo Luís Dâmaso, a organização da lista implicou a realização de um trabalho profundo de pesquisa e contactos com os familiares dos soldados que demorou largos meses. A cerimónia de inauguração terá a presença da Fanfarra de Boim e irá começar com o içar da bandeira seguido da colocação de uma coroa de flores.

Os signatários da proposta solicitam a comparência dos ex-combatentes e seus familiares com o objectivo de engrandecer e eternizar a memória dos seus soldados.


LOUSADENSES MORTOS NO ULTRAMAR (1961 - 1975)

Soldado - Adão Luís Nunes Ferreira - Exército - Moçambique - Sousela

Soldado - Agostinho Rocha Faria - Exército - Moçambique - Ordem

1.º Cabo - Agostinho Sousa e Silva - Exército - Moçambique - Meinedo

Soldado - Alberto Ribeiro Macedo - Exército - Angola - Caíde de Rei

Soldado - António Augusto Ribeiro - Exército - Moçambique - Nogueira

Soldado - António Rodrigues Cunha - Exército - Angola - Caíde de Rei

1.º Cabo - António Soares Faria - Marinha - Moçambique - Torno

Furriel - Armindo Velozo - Exército - Guiné - Lousada Santa Margarida

Soldado - Carlos Gaspar Guimarães Vieira Osório - Exército - Angola - Torno

Soldado - David Pacheco de Sousa - Exército - Guiné - Lustosa

Soldado - Fernando Pinto Castro - Exército - Moçambique - Torno

Soldado - Filomeno da Costa - Exército - Guiné - Lousada S. Miguel

Soldado - Fortunato da Silva Gonçalves - Exército - Guiné - Barrosas (S.Eulália)

1.º Sargento - Francisco Ferreira Barbosa - Exército - Guiné - Silvares

Soldado - Francisco Machado Ferreira - Exército - Angola - Lustosa

1.º Cabo - Francisco Nunes Ribeiro - Exército - Angola - Silvares

Soldado - João Januário Freire dos Santos - Exército - Guiné - Cristelos

Soldado - Joaquim Augusto Borges Machado - Exército - Guiné - Nogueira

Soldado - Joaquim Barbosa de Sousa - Exército - Moçambique - Covas

Soldado - Joaquim Francisco Gomes Neves - Exército - Angola - Lustosa

Soldado - Joaquim Mendonça Martins - Exército - Angola - Barrosas (S.Eulália)

Soldado - Joaquim Pinto Ribeiro - Exército - Angola - Barrosas (Santa Eulália)

Furriel - José António da Costa Teixeira - Exército - Guiné - Silvares

Furriel - José de Sousa Rola Teixeira - FAP - Guiné - Lousada

Soldado - José Ferreira de Bessa - Exército - Guiné - Ordem

1.º Cabo - José Gomes da Cunha Guimarães - Exército - Moçambique - Torno

1.º Cabo - José Manuel Ribeiro - Exército - Guiné - Vilar do Torno e Alentém

Furriel - Júlio Agostinho de Sousa Magalhães - FAP - Angola - Cristelos

1.º Cabo - Luís Ribeiro Pereira - Exército - Moçambique - Sousela

1.º Cabo - Manuel Freire da Fonseca - Exército - Angola - Boim

1.º Cabo - Miguel Teixeira Fernandes - Exército - Moçambique - Torno

Furriel - Tomás Brás - FAP - Angola - Nevogilde


Os delegados organizadores do memorial dos combatentes foram agora confrontados com a existência de mais um soldado morto em combate (na Guiné em 09/03/1972), o 1º Cabo, Enfermeiro Páraquedista, José Moreira de Sousa, natural da Aveleda. Na impossibilidade do nome figurar na lápide já colocada no local, os organizadores prestam neste jornal a homenagem ao soldado e sua família.

Jornal TVS de 10 de Abril de 2008

1 comentário:

RosárioG. disse...

Parabéns! Já começaram a fazer essa homenagem merecida!